Projeto Lean Data Center

O projeto Lean Data Center tem o objetivo de projetar, maximizar a infraestrutura, aumentar a disponibilidade dos serviços e melhorar a gestão de data centers de forma sustentável. O resultado é a melhoria da eficiência organizacional, uso pleno dos recursos tecnológicos instalados, planos de continuidade de negócios, aumento da eficiência energética e redução da emissão de gases do efeito estufa (CO2).

O projeto implementa as melhores soluções para o data center com base nas tecnologias disponíveis no mercado para empresas de todos os portes, incluindo análises técnico/econômicas para utilização de novas tecnologias e migração para ambientes Cloud Computing.

A independência com fornecedores de tecnologia garante a melhor solução para a sua empresa. Habilita também a realizar comissionamento de novos equipamentos e sistemas nos data centers.

Projetos de Data Centers

O projeto aborda todas as fases de implantação e reestruturação de data centers, incluindo: projeto do prédio seguindo critérios de eficiência energética e sustentabilidade; projetos e implementação da infraestrutura predial (mecânica, elétrica, sistemas especialistas e sistemas de controle e automação); arquitetura tecnológica (servidores, armazenamento, redes e segurança); e, planejamento e implantação dos processos de gestão, incluindo automação e planos de continuidade de negócios.

Comissionamento de equipamento e sistemas

Realização de testes de certificação dos equipamentos e sistemas para garantir sua utilização de acordo com as especificações do projeto. Uso das melhores práticas de comissionamento do mercado em todas as fase do projeto: pré-design, design, construção e operação dos projetos.

Maximização e atualização da tecnologia

A crescente demanda por recursos computacionais e a forte pressão por redução de custos exige a adoção de novas tecnologias de processamento. O uso intensivo de virtualização e uma arquitetura unificada de operação permitem o aumento da capacidade de processamento, redução do número de equipamentos e seus custos associados, consolidação dos recursos e a ampliação da automação de processos no data center.

Melhoria dos processos de gestão

Melhoria de processos é uma atividade dinâmica e constante nas organizações. Nos data centers é fundamental que a equipe desenvolva continuamente exercícios para otimizar os processos operacionais. Com base nos incidentes e falhas operacionais devem desenvolver novas rotinas que elimine as situações que possam impactar os serviços e, consequentemente, aumentando a disponibilidade do Data Center e reduzindo os custos de operação.

A adoção de normas internacionais como a ISO 20.000 e ISO 27.000 são fundamentais para garantir a alta disponibilidade, segurança, confiabilidade e certificação pelas principais entidades certificadoras do mercado, tais como o UPTIME Institute e CompTIA.

O projeto utiliza algumas ferramentas de Six-Sigma para análise e definição de processos para a redução do número de falhas operacionais. O Six-Sigma é um conjunto de ferramentas de gestão que determina com exatidão a causa raiz do problema e auxilia na seleção da melhor alternativa de solução.

Eficiência energética

A otimização do uso de energia é crítica nos data centers. O custo da energia é um dos principais ofensores das despesas operacionais dos Data Centers. Nesse contexto o PUE – Power Usage Efficiency – é um parâmetro importante para medir a eficiência do Data Center.

O projeto avalia a eficiência energética dos data centers de várias formas:

  • Qualidade da energia. Avaliação das harmônicas da rede elétrica, transitórios elétricos, variações de frequência e níveis de tensão que afetam os equipamentos e reduzem sua vida útil;
  • Consumo dos ativos do data centers. Avaliação do consumo dos equipamentos e infraestrutura do data center para identificar oportunidades de redução. Equipamentos antigos consumem mais energia e emitem mais calor, exigindo mais do sistema de refrigeração do data center;
  • Análise do contrato de fornecimento de energia. As concessionárias de energia cobram pelo consumo de energia, pela demanda garantida de energia e pela energia reativa gerada. Um contrato mal definido pode gerar custos adicionais desnecessários;
  • Mercado Livre de Energia. Estudos para avaliar a migração do data center para o mercado livre de energia com o objetivo de garantir o fornecimento de energia e mitigar os aumentos de custos das concessionárias de distribuição. A migração para o mercado livre não exige mudança físicas na infraestrutura elétrica do data center, apenas a substituição do medidor;
  • Cogeração de energia renovável. Projetos de plantas de geração de energia solar fotovoltaica para alimentar os data centers para reduzir o consumo de eletricidade da concessionária e a emissão de gases do efeito estufa na atmosfera;
  • Programa de eficiência energética da ANEEL. O contrato de concessão de distribuição de energia obriga as concessionárias a destinar um percentual da receita líquida para projetos de eficiência energética a fundo perdido. Em alguns casos, é possível avaliar com a concessionária local de distribuição de energia o uso da verba de eficiência energética para subsidiar projetos nas empresas e órgãos públicos.
Redução da emissão de gases do efeito estufa (CO2)

É cada vez maior a pressão dos governos e sociedade para que as empresas adotem soluções para reduzir a emissão de gases de efeito estufa na atmosfera. Empresas líderes de mercado estão cada vez mais aderindo, voluntariamente, aos programas mundiais de conservação do meio ambiente e, influenciando seus fornecedores a aderem aos programas. A adesão a esses programas requer um planejamento de longo prazo com definição de metas de redução das emissões. Esse planejamento é divulgado para a sociedade, ajudando na melhoria da reputação da empresa e aumentado as chances de novos negócios e investimentos.

O projeto estuda como reduzir a emissão de gases de efeito estufa, desenvolvemos o planejamento, registramos as iniciativas nos órgãos de controle internacionais e acompanhamos a execução do plano.

Automação da operação

A redução do número de falhas e a maximização dos recursos dos data centers está associado ao nível de automação dos seus processos. A automação permite o gerenciamento centralizado de vários data centers e a redução do staff operacional tendo como consequência a redução das despesas operacionais. No Brasil, onde a mão de obra qualificada é um desafio para as empresas, a automação reduz os riscos de falhas operacionais e falta de pessoal especializado.

O projeto planeja e executa a automação da operação com ferramentas DCIM – Data Center Infrastructure Management. O DCIM é uma solução que gerencia todas as funções, ativos e recursos do data center. A solução é capaz de centralizar a monitoração e gerenciar de forma inteligente os sistemas críticos do data center.

Consolidação de Data Centers

Estudos mostram que a centralização do processamento reduz o custo de operação. Em outras palavras, os data centers pequenos tem um custo maior de operação comparado com os grandes. Operar em grandes complexos tem a vantagem de usufruir da redução de custos por escala e o uso de instalações robustas de fornecimento de energia, refrigeração, comunicações, segurança lógica e física entre outras. O projeto realiza o planejamento e a execução de planos de consolidação de data centers.

Disaster Recovery Plan (DRP)

O projeto elabora e implementa planos de recuperação de desastres (DRP) em linha com a estratégia e plano de continuidade de negócios da empresa. Realizamos uma análise detalhado dos riscos dos data centers para definir a estratégia e as atividades para a montagem e operação do DRP.

O objetivo do DRP é permitir que uma organização sobreviva a um desastre e que possa restabelecer as operações dos negócios no menor tempo possível. Para atingir esses objetivos o DRP deve atender os seguintes requisitos:

  • Prover um ambiente seguro e pessoas preparadas para um desastre;
  • Reduzir as perdas financeiras em casos de desastres;
  • Identificar linhas de negócios críticas que requeiram suporte em situações de desastres;
  • Identificar as fraquezas e executar um programa da prevenção de desastre;
  • Minimizar a duração de uma paralisação das operações de negócio;
  • Facilitar a coordenação eficaz de tarefas da recuperação; e,
  • Reduzir a complexidade do esforço de recuperação.
Elaboração de RFP

O projeto elabora e executa todo o processo de aquisição e comissionamento de produtos e serviços a partir do desenvolvimento de uma Request-for-Proposal (RFP). A RFP é o convite enviado a um grupo de fornecedores para apresentarem propostas de venda de produtos ou serviços. Um processo de aquisição envolvendo vários fornecedores aumenta a capacidade de negociação e o poder de compra das empresas. O documento deve conter o maior número de informações possível para que os fornecedores usem sua criatividade para oferecer a melhor solução para a empresa. Desta forma, a elaboração de uma RFP é importante para garantir a eficiência do processo de aquisição. Deve seguir uma metodologia e linguagem comum ao gerenciamento de projetos, utilizando técnicas e análise de requisitos.

Estudo de migração para Cloud Computing

O projeto desenvolve vários cenários técnico-econômicos para analisar as opções de migração para um ambiente de computação em nuvem: pública, privada ou hibrida. Levamos em consideração os sistemas legados da empresa e os novos desafios planejados pela empresa. A computação em nuvem é uma realidade e vem sendo adotada cada vez mais pelos fornecedores de software, mudando o paradigma de compra de software e hardware para a contração de serviços.

Coordenador do Projeto:

Eduardo Fagundes. Desenvolve projetos de pesquisa e desenvolvimento (P&D) nas áreas de inovação, tecnologia e energias sustentáveis. Professor no pós-graduação da Universidade Mackenzie (Gestão do Conhecimento & Inteligência de Negócios e Engenharia de Software), e no MBA da FIAP (Estratégias de Negócios Sustentáveis). Engenheiro Eletricista pela PUC-RS. Mestre em Engenharia Elétrica pela Universidade Mackenzie. Especialista em Telecomunicações pela FAAP. Certificado em Negócios e Liderança pela Darden School of Business da Universidade da Virgínia (EUA). Foi coordenador do curso de pós-graduação em TI da Universidade Mackenzie. Foi professor de Processos de Inovação do programa de desenvolvimento de executivos da HSM Educação. Desenvolveu projetos de TI na Alemanha, Argentina, Brasil, Estados Unidos, Índia, Inglaterra e Itália para a Ford Motor Company e AES Corporation. Foi gerente de TI da Ford América do Sul e CIO da AES Brasil (AES Eletropaulo, AES Sul, AES Tietê e outras empresas do grupo). Escreveu o livro “Como Ingressar nos Negócios Digitais” com apoio do SEBRAE Nacional. Desenvolveu o curso sobre Cidades Inteligentes baseado na ISO 37.120, mostrando como as novas tecnologias influenciam no desenvolvimento econômico, social e sustentável das cidades.